quinta-feira, 25 de maio de 2017

Amarcord

Amarcord (1973) filme de Federico Fellini.
         
      Lo so, lo so, lo so
che un uomo, a 50 anni,
ha sempre le mani pulite
e io me le lavo due o tre volte al giorno
ma è quando mi vedo le mani sporche
che io mi ricordo di quando
ero ragazzo.



Tonino Guerra, poeta e argumentista de Amarcord.
 

O Regresso

Como quem vindo de países distantes fora de
si, chega finalmente aonde sempre esteve
e encontra tudo no seu lugar,
o passado no passado, o presente no presente,
assim chega o viajante à tardia idade
em que se confundem ele e o caminho

Entra então pela primeira vez na sua casa

e deita-se pela primeira vez na sua cama,
Para trás ficaram portos, ilhas, lembranças,
cidades, estações do ano.
E come agora por fim um pão primeiro
sem o sabor de palavras estrangeiras na boca.

Manuel António Pina, in "Como se Desenha uma Casa", Assírio&Alvim, Lisboa, 2011.