quarta-feira, 13 de setembro de 2017

São Miguel: Uma Doce Melancolia

Daqui: www.wook.pt/
“A melancolia é uma arte. Vede quanta beleza existe no próprio e simples dizer das cinco sílabas desta palavra: me-lan-co-li-a. Agridoce, tão próxima do silêncio interior como das mágoas do olhar, nos Açores esta palavra é comum a todas as ilhas. E a todas as pessoas. Mas em nenhuma delas como em São Miguel ela resulta tanto desta forma de contemplar o encanto da paisagem: de a ver de coma (quando se sai da Ribeira Grande para o alto da serra, a caminho da Lagoa do Fogo): a gente pára ali, a meio da encosta, volta-se para trás, e pasma. Deslumbra-se com o que tem à frente dos olhos. Aquilo que se avista de lá de cima é como um tombadilho gigantesco, todo verde e quase plano, o qual roda em círculo connosco e envolve o gesto que aponta para aquém da cidade da Ribeira Grande e de Rabo de Peixe. A palavra melancolia vê-se também no próprio espanto que em nós estranha e não explica o verde-azul-amarelo da terra mar, corpo lânguido e feminino da paisagem, trecho da costa norte fendido ao meio pela Ponta do Cintrão: baixa, e até maneirinha, à esquerda; alta e muito recortada para as bandas de Porto Formoso. Os tons esmeralda da pradaria e das matas de incenso e criptoméria parecem a um tempo colidir e complementar-se entre si; ao longe e em baixo, a brancura das casas – que se perfilam ao longo das ruazitas desertas, tortuosas, com as suas barrinhas de basalto em volta de portas e janelas – resplandece acima dos verdes múltiplos da terra, como numa marcação a giz dessa cor.
A paisagem que do alto se despenha aos nossos pés, primeiro a prumo ou em declive acentuado, depois num remanso que se derrama até o azul do mar, prolonga-se afinal até se espraiar pelos cerrados de milho e tremoço, pelos hortos e jardins do tabaco e pelos campos de chá. O prazer e o assombro de tanta beleza excedem o nosso modo de olhar. Passam para além do pasmo e recordação.”
João de Melo, in “Açores – O Segredo das Ilhas”, Publicações Dom Quixote, edição revista e acrescentada, 2016. 

Nada Tenho de Meu de Miguel Gonçalves Mendes

Hoje, às 21 horas, na Galeria Arco 8
     


          “O realizador português Miguel Gonçalves Mendes e os escritores brasileiros Tatiana Salem Levy e João Paulo Cuenca viajaram até ao Extremo Oriente para uma troca de experiências com artistas e pensadores de Macau, Hong Kong, Vietname, Cambodja e Tailândia. Desse contacto, que surgiu depois dos 3 autores terem sido convidados a estar presentes no "1º Festival Literário de Macau - Rota das Letras", nasceu a série de 11 episódios “Nada tenho de meu”, descrita pelos seus autores como “uma mistura de caderno de viagens e ficção".


Daqui:http://www.mgm.org.pt/mgm